A culinária peruana conta hoje com cerca de 500 pratos típicos. A gastronomia do Peru é o resultado de uma fusão com a Gastronomia espanhola, alguns costumes trazidos por escravos da África subsaariana e imigrantes chineses, japoneses e italianos que chegavam durante o século XIX.

Abaixo, você tem um índice com todos os pontos que abordaremos neste artigo.

Arroz chiclayana

Nome para a chiclayana Vem da cidade onde este prato foi criado: Chiclayo, a noroeste do Peru. Chiclayo é uma das cidades mais procuradas para saborear a culinária peruana em toda sua essência.



Especificamente, a receita do arroz a la chiclayana pode ser feita com frango, pato ou qualquer outro tipo de carne. Entre os ingredientes essenciais está o abóbora loche ralado, ervilha verde, chicha de jora ou cerveja escura e uma gravata de coentro.

A abóbora Loche é um produto pré-colombiano nativo da região e normalmente é usado em uma grande variedade de pratos. É cultivada nos vales de Túcume, Íllimo, Mórrope, Ferreñafe, Pítipo, Monsefú e Pimentel. Estima-se que seu uso na dieta alimentar remonta às primeiras civilizações que habitaram esta área.

Arroz chaufa peruano

A receita da chaufa de arroz está entre os fundamentos da culinária peruana. É composto por arroz frito misturado com vários tipos de carne e molho de soja. Na verdade, o prato é baseado no Gastronomia chinesa, uma vez que foi trazido ao país pela chefs chineses que se instalaram no país a partir do século XIX.

Os peruanos começaram a se referir à comida cantonesa que estava sendo introduzida no país sob o termo de chifa, origem do nome Chaufa que dá nome a este prato de arroz. Em suma, o arroz chaufa é o resultado da fusão entre os comida chinesa e o peruano que aconteceu naquela época.

Diz a lenda que este delicioso prato começou a ganhar fama a partir do momento em que um alto funcionário chinês visitou o Peru e foi homenageado pelas autoridades com um prato de arroz chaufa. O funcionário gostou deste prato, lembrando que se tratava de um prato peruano requintado, quando na verdade tinha sido obra de cozinheiros chineses que haviam migrado para o Peru.

Arroz peruano com frango

Por mais simples que o nome possa parecer, o arroz con pollo é uma receita tradicional peruana. De aparência verde, é um prato muito saboroso devido à variedade de ingredientes que inclui. Assim, é temperado com um espinheiro de cebola, o que realça muito o sabor.

O arroz com frango que se cozinha no Peru tem muitas semelhanças com a famosa paella valenciana, um dos símbolos por excelência da cozinha espanhola. No Equador, existe o chamado arroz amarelo, um prato muito original em que a cor amarela do arroz é conseguida com o uso de achiote. Na Colômbia, é conhecido como arroz de frango desfiado.

No Peru, este prato internacional é adicionado cilantro, um dos ingredientes mais usados ​​na culinária peruana. Além disso, o coentro deixa o prato com uma cor levemente esverdeada, o que faz a diferença em relação ao arroz com frango consumido em outros países.

Cau Cau

Este prato de denominação original é outro da gastronomia peruana principal e consiste em uma mistura de tripa de frango com batatas amarelas. As batatas chamam a atenção pela forma como são cortadas, ou seja, em pequenos quadrados. São cozidos com ají amarillo, salsa, cebola e alho.

Tripa de frango É o nome usado em muitos países latino-americanos para se referir a tripas de vaca. Na Espanha, são conhecidos como "callos", enquanto em outros países da América Latina são usados ​​nomes como guatita, pancita, menudo ou tripa mishque.

Existem várias teorias para explicar o nome do prato. Um é aquele que diz que vem das palavras quíchuas pode (bagatela) Ou acacau (quente).

Para outros, é devido aos imigrantes chineses do século XNUMX, que disseram caucau para indicar que os ingredientes devem ser cortados em porções muito pequenas. Outros simplesmente consideram que causar é uma adaptação da palavra inglesa vacaIe vaca.

Causa a la Lima

O prato peruano conhecido como causar a limão ou simplesmente, causar É outro dos mais representativos da gastronomia peruana. Sua origem data de antes da era colombiana, já que era previamente preparada no Peru a partir de batata amarela, amassada e misturada com pimenta malagueta.

Atualmente, para preparar o Lima, são necessários os seguintes ingredientes: Batata amarela peruana, chili, alface, limão, ovo cozido, abacate e azeitonas pretas. Porém, há quem acrescente outros ingredientes (p.ex. maionese ou atum) ou ignore alguns dos já mencionados, por se tratar de um prato que admite várias variações.

O nome da causa vem da língua quíchua, especificamente do termo kausay, cujo significado literal é comida o sustento necessário. Esse nome também foi dado à batata amarela.

De acordo com outra teoria, o nome se deve ao tempo do vice-reino (Séculos XVI a XIX), quando o libertador José de San Martín pediu para apoiar "a causa" comprando esta placa para custear as despesas da campanha militar. Estima-se que foi nessa época que o conjunto ficou com o nome de causar.

Ceviche peruano

O ceviche, também escrito Cebiche, Seviche o Sebiche (todas as formas aceitas pela RAE), é um prato originário do Peru, mas cujo grande sucesso ultrapassou fronteiras e atualmente é típico em quase todos os países latino-americanos da costa do Pacífico, como Colômbia, Chile, Equador, Costa Rica, Guatemala, O salvador, Honduras, México, Nicarágua ...

No Peru, o ceviche não é apenas um prato típico, mas um sinal de identidade nacional que, de fato, foi declarado Patrimônio Cultural da Nação. Embora seja consumido em todo o país, é especialmente popular no norte. É tradicionalmente servido em um restaurante conhecido como cevicheria.

Os ingredientes básicos de qualquer prato de ceviche peruano são peixe picado, cebola e suco. Limão Piuran do Vale Tamborgrande. Em relação a este último ingrediente, diz-se que o ceviche é originário da cidade de Piura.

Para o tempero são utilizadas várias frutas cítricas a gosto, embora as mais comuns sejam o limão Piuran e a lima ácida. Porém, no Peru Antigo, precisamente após a chegada dos primeiros espanhóis, foram acrescentadas laranja azeda e cebola, dois ingredientes típicos da culinária mediterrânea. Coentro picado e uma guarnição de batata-doce ou mandioca também são adicionados.

Choritos a la Chalaca

Choro É o nome comum dado a um molusco comestível da família do mexilhão nativo da América do Sul, onde pode ser encontrado principalmente nas costas do Peru e do Chile. Neste último país, é conhecido pelo nome de cholga o cholgua.

Os choritos a la chalaca são preparados com mexilhões crus, tomate e cebola picados, suco de limão e grãos de milho cozidos. Esta é a receita tradicional de Callao, cidade litorânea localizada na costa centro-oeste do Peru, onde peixes e mariscos são alimentos essenciais para seus habitantes.

Como você pode ver na foto, eles são preparados na casca dos mexilhões, que são previamente macerados com suco de limão. Também é usado, como em muitos outros pratos peruanos, pimenta chili picada ou rocoto. Algumas receitas também incluem o uso de choclo (milho jovem).

Sopa de camarão

O camarão chupe é um dos pratos mais emblemáticos da culinária peruana. Uma das vantagens deste delicioso prato é que pode ser servido como primeiro ou segundo prato, pois é um comida abundante que pode acomodar muitos comensais.

Em linhas gerais, o chupe de camarão é uma sopa de peixe, mas os ingredientes necessários devem ser usados ​​na quantidade certa, conforme ditado pela receita original, para torná-lo um verdadeiro chupe de camarão peruano.

Os ingredientes incluem camarão fresco (inclusive as cascas, já que o caldo é feito com elas), batata andina, um pouco de queijo branco, milho, alho, tomate, cebola, arroz, ovos, coentro, uma pitada de orégano e um pouco de pimentão amarelo peruano.

Empanadas recheadas

As empanadas peruanas assadas são preparadas com uma massa facilmente quebradiça, que é recheada com um guisado de carne, vegetais e temperos diversos, como páprica, cominho, pimenta amarela, etc. As carnes mais utilizadas são bovina e frango.

Quando se trata de vegetais, os mais comuns são batata, coentro, cebola e grãos de milho. Dependendo de quem os fabrica, esses vegetais podem variar, já que a receita das empanadas recheadas é muito aberta à imaginação.

O método de cozimento é assado e a forma que se costuma dar às empanadas também é muito variada. Podem ser encontrados quadrados, retangulares, triangulares, arredondados, em forma de meia lua ... Porém, os mais vistos são estes dois últimos.

existem alguns variantes que incluem recheios como ají de gallina, lomo saltado ou torresmo, embora esses ingredientes não façam parte da receita original da empanada recheada peruana, mas são fruto da chegada de imigrantes de várias partes do mundo para o Peru.

marinado

O pickle peruano é um prato que pode ser consumido tanto em reuniões familiares como durante a semana, principalmente porque pode ser consumido frio ou quente e ser tão delicioso. Seus ingredientes básicos são pimentão em conserva ou amarelo, muito vinagre e cebola.

A marinada geralmente é feita com frango. Além disso, outros ingredientes são adicionados, como alho, pimenta panqueca moída, pimenta amarela em tiras, cominho, azeite, ovos cozidos, azeitonas botija, orégano, vinagre vermelho, batata doce e alface.

Para que o resultado seja ótimo e de acordo com a receita tradicional peruana, a primeira coisa a fazer é tempere o frango com sal e pimenta, depois ferva em água com vinagre e sal, escorra o frango e, por último, frite no óleo.

Juane peruana

O juane ou juan é um dos pratos mais representativos da gastronomia da selva peruana, especificamente da cidade de Santiago e Moyobamba. É especialmente típico durante o festival de San Juan, que é celebrado todo dia 24 de junho.

Existem várias versões do juane, embora o original seja feito de iúca, arroz e galinha. No entanto, outras versões são o juan tradicional, o especial, o de chonta, vespa juane, nina juane ou sara juane, entre outros.

É chamado Juane o banheiro em homenagem a San Juan Bautista e estima-se ser um prato de origem pré-colombiana, embora esse nome tenha sido atribuído a ela desde a chegada dos espanhóis às terras incas, quando a religião cristã começou a se espalhar entre os nativos.



A história da juane não é clara, mas estima-se que era um alimento normalmente preparado para viajantes, pois tem a vantagem de poder ser armazenado por longos períodos de tempo sem se decompor ou alterar a qualidade da comida.

Lombo frito

O lomo saltado é um prato que remonta ao século XNUMX, quando era conhecido por vários nomes (ex. filé mignon, lombo salgado o lombo de chorrillana) Este prato, assim como o arroz chaufa, é muito influenciado pela culinária chinesa-cantonesa.

Essa influência de cozinha oriental É demonstrado acima de tudo porque é cozido em uma panela, por isso é chamado lombo frito. No entanto, existem variantes que surgiram ao longo dos anos, principalmente no uso de ingredientes.

Assim, a receita tradicional incorpora ingredientes como carne, sal, cominho, pimenta, pimentão verde, alho, vinagre vermelho ou branco, batata, óleo, tomate e salsa. Ocasionalmente, são acrescentados molho de soja e pisco, este último reconhecido como uma das bebidas mais emblemáticas do Peru.

Tribunal brindado

A quadra brindada, também conhecida como Tribunal Serrana o tribunal, nada mais é do que milho torrado. É um prato que costuma acompanhar qualquer guarnição peruana, principalmente nos Andes peruanos.

Seu preparo é muito simples: basta esquentar uma panela de barro ou uma frigideira, colocar um pouco de manteiga ou óleo e fritar com um pouco de sal. Os grãos, que devem ser de milho amareloEles devem ser mexidos sem jantar até que adquiram uma aparência dourada.

A corte é especialmente utilizada para acompanhar pratos como ceviche ou chicharrones. Seu consumo em Andes peruanos Data do século XV, pois já constava do Dicionário Quechua-Espanhol de González Holguín, publicado em 1608.

Pachamanca

A pachamanca é outro dos pratos mais tradicionais do Peru. O costume ancestral dita que deve ser feito cozinhando carne de boi, porco, frango e porquinho-da-índia no calor do pedras pré-aquecidas. As carnes são pré-temperadas com ingredientes como chincho, cominho, chili, huacatay, pimenta e especiarias diversas.

Nome pachamanca vem da língua quíchua, onde paxá meios terra y manka equivalente a pote, então significa literalmente pote de terra e esta é a razão pela qual deve ser cozinhada conforme explicado acima.

Atualmente a pachamanca também é preparada em uma panela, por isso é comum chamá-la pachamanca para a panela. Às várias carnes utilizadas são adicionados vários vegetais, como batata, batata doce, fava, mandioca, milho e banana-da-terra, entre outros. Queijo e humitas também costumam ser adicionados.

Batata à Huancaina

A batata huancaína é um dos pratos mais populares da costa e das terras altas do Peru e, em geral, em todo o Peru. No entanto, é importante deixar claro que o prato não é originário de Huancayo, como pode parecer pelo nome, mas sim de Cal, a capital do Peru.

É um prato muito simples de preparar, embora a única parte que possa apresentar um maior grau de dificuldade seja a preparação do molho, que é o elemento distintivo deste prato. Assim, para o seu preparo, utiliza-se o queijo fresco, que é misturado com azeite, sal, pimenta amarela e leite. É importante que todos esses ingredientes estejam bem misturados para que não apresentem grumos.

É importante também retirar a casca da pimenta malagueta, pois assim evita-se o aparecimento de restos de casca da pimenta amarela. A melhor maneira de evitar isso é fervendo previamente o pimentão em água por alguns segundos.

Quanto à apresentação, como pode ser visto na foto, costuma-se colocar uma folha de alface na base do prato, em cima da qual são acrescentadas algumas rodelas de batata cozida. Finalmente, é adicionado ovo cozido fatiado e azeitonas. Pode ser tomado como prato principal ou segundo prato.

Parihuela

Como no caso do chupe, a maca é uma sopa muito consumida na costa do Peru. Seus ingredientes são marisco e vários peixes, por isso é popularmente conhecido como "maca levanta mortos", por ser considerada uma grande fonte de nutrientes.

Os peixes mais comuns neste prato são os mencionados a seguir: cabrilla, corvina ou cojinova e facão. Esses peixes específicos são usados ​​porque sua mistura com diferentes frutos do mar produz esta saborosa sopa tão popular na culinária peruana.

Na verdade, a maca e seu efeito resultante no usuário são vistos como um afrodisíaco, principalmente devido ao seu alto teor de fósforo. Na verdade, há quem o considere muito parecido com o bouillabaisse ou bouillabaisse, um dos pratos típicos da França, especificamente da região da Provença.

Mordida quente

O piqueo quente é na verdade um lanche muito popular no Peru, onde o melhor pode ser saboreado em Lima, sua capital. É tradição servi-lo em um fonte oval e normalmente o mesmo prato é projetado para duas pessoas.

É tradição adicionar duas pequenas conchas com sal e álcool ardente, que se acendem no momento em que o lanche é servido. Quase todos os ingredientes incluídos no nibble são revestidos com massa e geralmente consistem em peixes como lulas, polvos e robalos.

Também é comum adicionar champiñones rellenos camarão de tamanho médio, ao qual se junta um toque de queijo parmesão ralado e vinho branco. Por fim, são gratinados no forno e colocados aleatoriamente em várias partes do prato de snacks.

Pimenta recheada

O rocoto recheado é um prato de origem Arequipa para o qual se utiliza, como o próprio nome indica, rocoto. É uma fruta semelhante à pimenta malagueta e do tamanho de uma maçã, cujo sabor é muito picante, embora seja um pouco mais doce que a malagueta.

Devido ao uso de pimenta, este é um prato considerado picante. Os rocotos estão cheios de carne moída, ervilhas, azeitonas e queijo fresco. Tudo isso guarnecido com cominho e salsa picada. Uma vez realizada essa etapa, tudo é levado ao forno e comido quente.

Em Arequipa, Lima e na maioria dos restaurantes peruanos, o rocoto recheado é servido com batatas assadas, assadas junto com o rocoto. Em algumas versões é adicionado o tradicional bolo de batata, para o qual se utiliza batata branca, tumbay ou requeijão.

Carapulcra e sopa seca de chinchana

Nome Chinchana É que a origem deste prato é a província de Chincha, no departamento de Ica. Não é de se estranhar que este prato variado venha desta região do Peru, já que é um dos lugares mais mestiços do país.

Este prato é o resultado de uma mistura de ingredientes típicos da Gastronomia chinesa, italiana e espanhola, entre outros. É uma espécie de guisado cuja origem remonta aos banquetes de casamento, onde os pais do noivo e da noiva competiam para serem os que melhor divertiam os noivos. Finalmente, decidiu-se misturar tudo em um prato.

Assim, este prato é um símbolo de celebração e celebração para o qual é utilizado galinha, macarrão, cebola picada, cominho, achiote moído, tomate picado sem pele, manjericão, salsa e azeite. Para fazer a carapulcra chinchana, você precisa de carne de porco, batata tomasa, pimenta panqueca moída, amendoim torrado na hora e iúca cozida.

Peixe tiradito

Tiradito é feito com peixe fresco cru cozido com suco de limão. Em muitas áreas do Peru, é considerado um primo do ceviche devido à variedade de semelhanças que existem entre eles. Os peixes mais comuns para o tiradito são: pejerrey, cojinova, palmerita ou periquito.

No entanto, a principal diferença do ceviche é que o tiradito não tem cebola e o peixe é cortado em rodelas finas. Na verdade, a maneira de cortá-los é muito semelhante a sashimi de comida típica japonesa ou o carpaccio do Gastronomia italiana. Além disso, o tiradito também é comido frio.

Antes de começar a filetar o peixe, a primeira coisa a fazer é marinar o suco de limão com coentro, sal, pimenta, alho e salsa. Também é importante preparar um creme de chili, que dará ao prato um toque peruano. A mistura de chili deve ser misturada com o suco de limão para finalmente despejar a mistura resultante sobre os filés de peixe cru.

Tamale peruano

O pamonha é um prato de origem ameríndia preparado em praticamente todos os países da América Latina. Em geral, é uma massa de milho recheada com carne, verduras, malagueta, molhos, frutas ... Tudo isso embrulhado em folhas de espiga de milho, bijao, abacate, maguey ou mesmo folha de alumínio e é cozido em água ou ai vapor.

Especificamente, o tamale peruano é preparado à base de milho, embora a receita possa variar dependendo da área do Peru onde é preparada. Assim, na costa peruana é recheado com carne de vaca, frango ou porco e acrescenta-se ovo, azeitonas ou amendoim. Os nortistas acrescentam coentro, o que lhe confere uma cor verde muito característica. Na Serra, a receita é parecida com a da pachamanca.

O resultado dessas variações por região é a existência de vários tipos de tamales: milho amarelo envolto em folha de bananeira, com milho branco ou mote, tamales verdes piuranos, fubá seco ou até doce (conhecido como humitas) O tamanho também pode variar de acordo com a área. Assim, na zona sul tendem a ter tamanhos bastante grandes, pesando até 2 kg.

Tacu tacu

O tacu-tacu é um dos pratos típicos do Peru cuja origem se deve ao comida crioula. Segundo vários historiadores, as escravas negras utilizavam toda a comida que sobrava de outros pratos para fazer o tacu-tacu (daí seu nome, que vem do termo quíchua takuy, Significado misture uma coisa com a outra).

A receita tradicional indica que deve ser preparado com arroz cozido e feijão do dia anterior. Tudo isso deve ser misturado para formar uma massa homogênea, que será aquecida em uma panela. O mais comum é que a caldeirada inclua feijão, lentilha e feijão-fava. Por fim, a massa é frita para ficar crocante.

Existem vários especialidades, tais como: feijão tacu-tacu, pallares tacu-tacu, cobertor tacu-tacu (acompanhado de bife à milanesa ou milanesa), tacu-tacu recheado com frutos do mar, tacu-tacu banhado em molho de frutos do mar, etc.

O preparo desse prato é prática comum entre os afro-descendentes de várias regiões da América. Assim, existem pratos muito semelhantes em diferentes países da América Latina, como o famoso gallo pinto na Nicarágua, o congri em Cuba, a feijoada no. gastronomia brasileira ou o arroz mourisco entre os pratos típicos da República Dominicana.

Este artigo foi compartilhado 829 vezes. Passamos muitas horas coletando essas informações. Se gostou, compartilhe, por favor: